sábado, 29 de abril de 2017

NOTÍCIA DC - VISITA INDESEJADA: Macky Sall pode adiar visita

A viagem de Estado do presidente do Senegal, Macky Sall, à Guiné-Bissau, prevista para os dias 3, 4, 5 e 6 de maio corre novamente o risco de não acontecer.

Uma fonte da presidência da República disse ao Ditadura de Consenso que o presidente senegalês foi aconselhado pelo seu homólogo da Nigéria, Muhammad Bihari a adiar a visita.

"Não vá, porque parecerá que está a apoia—los, ainda para mais depois do comunicado da CEDEAO" e cuja cimeira terá lugar na Libéria. AAS

EXILADOS: Discurso de Fernando Gomes na entrega da Petição Pública na ANP

Intervenção de Fernando Gomes, Coordenador Movimento Nacional “Nô junta Mom pa Fidjus di Tchom riba Cassa”, na cerimónia oficial de entrega das fichas dos subscritores da Petição Pública para o regresso ao país dos guineenses que ainda se encontram no exílio.


Exmo. Senhor Presidente da
Assembleia Nacional Popular

A Constituição da República da Guiné-Bissau, no seu artigo 43º, respeitante aos direitos e liberdades fundamentais, diz o seguinte: “Em caso algum é admissível a extradição ou expulsão do País do cidadão nacional.

Todos os documentos internacionais em matéria dos direitos humanos proíbem o exílio considerando-o como uma violação dos direitos humanos, nomeadamente, a Declaração Universal dos direitos do Homem (artigos 9º e 13º), o Pacto internacional relativo aos direitos civis e políticos (artigo 12º) e a Carta Africana dos direitos do Homem e dos Povos (artigo 12º).

Enquanto cidadãos com algum sentido de razoabilidade, diz-nos a consciência que chegou o momento de expressar o nosso desagrado e discordância perante um facto tido como normal aos olhos de alguns políticos guineenses. E esse facto é: a existência de cidadãos guineenses forçados a viver no exílio.

Sabendo à partida que a nossa Lei Magna, assim como todos os tratados internacionais em matéria dos direitos humanos proíbem o exílio, considerando-o, uma violação da dignidade da pessoa humana, afigura-se difícil de compreender aos olhos da razoabilidade, a razão da oposição de uma minoria insignificante de cidadãos, sobretudo políticos, de reconhecerem o direito de todos os guineenses que se encontram no exílio poderem regressar à sua Pátria.

Assim, o grupo de cidadãos abaixo assinados, vem por este meio requerer a realização de todos os atos necessários para que o desejo desses concidadãos no exílio de regressar à Pátria em condições de segurança, se concretize. Este é o desejo manifestado pelos nossos concidadãos exilados, Carlos Gomes Júnior e Incuba Djola Injai.

Para o efeito, outorgaram procurações ao Movimento que tenho a honra de dirigir, com poderes para diligenciar junto das autoridades nacionais, organizações da sociedade civil e organizações internacionais, todos os mecanismos necessários à criação das condições de segurança para o seu regresso.

Este pedido deverá ser tornado realidade com toda a urgência e brevidade possível.

Se as leis guineenses o permitem, então que o órgão competente do nosso Estado execute esse desejo e direito destes nossos concidadãos para que a imagem de uma Guiné-Bissau que pugna pelo respeito dos direitos humanos, pelo respeito pela dignidade da pessoa humana, pelo respeito pela sua Constituição da República e finalmente, pelo respeito pelos tratados e convenções internacionais que subscreveu, possa transpor fronteiras quanto antes!

Como cidadãos, promotores deste documento, gostaríamos de clarificar que achamos esta “situação de existência de exilados políticos” inaceitável e isto foi reiterado por todos os titulares dos órgãos de soberania, partidos políticos e confissões religiosas que já tivemos a oportunidade de contactar. Igual posição esperamos daqueles que ainda vão ser contactados.

Considerar inoportuno o regresso imediato dos nossos concidadãos no exílio só pode ser entendido como revelador de desrespeito pelos direitos mais elementares da pessoa humana. Encaramos este tipo de afirmações, provenientes sobretudo por parte de alguns políticos, insignificantes, embora, como um sentimento oportunista de quem, para se afirmar, precisa de afastar o seu irmão. Revela uma ganância desmesurada e sem pudor, o que só serve para transmitir uma péssima imagem da classe política guineense.

O povo guineense, compreende o que significa solidariedade, o que significa direitos da pessoa humana, e o que significa o respeito pelas leis da República. Por isso existimos como Movimento Nacional Cívico “nô junta mom pa fidjus di tchon riba cassa”.

Os abaixo assinados recomendam uma análise isenta, consciente e responsável a todos aqueles que têm poder decisivo na orientação deste país, esperando com isso, ver alterada a situação dos exilados políticos para que possam regressar à Pátria.

Como todos sabemos, uma grande viagem começa sempre por um pequeno passo. É, pois, em nome desse pequeno passo que os abaixo assinados dão também este pequeno passo e subscreveram esta Petição Pública.

Tenho dito.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

PETROGUIN: 'Big Brother' ameaça privacidade dos funcionários

Na empresa pública da área do petróleo, PETROGUIN, estão todos com o credo na boca. E com razão. É que, por livre arbítrio do seu aventureiro 'director-geral' - as más línguas dizem que foi por ordem superior - foram instaladas câmaras de vigilância...que gravam imagem e som.

O objectivo "é simplesmente espiar e ouvir todos os que cá trabalham", disse ao DC um funcionário da empresa. Este acto desavergonhado viola de forma flagrante a privacidade das pessoas. Alguém tem de dar explicações...AAS

EXILADOS: Petição Pública foi entregue no parlamento

A cerimónia de entrega da petição pública para o regresso à Guiné-Bissau de todos os exilados guineenses ainda no estrangeiro, foi ontem entregue na Assembleia Nacional Popular, em Bissau.

Estiveram presentes todos os membros do Movimento Nacional Cívico NÔ DJUNTA MON PA FIDJUS DI TCHON RIBA CASSA, encabeçados pelo seu Coordenador, Fernando Gomes. Da parte da ANP, estiveram presentes o chefe de Gabinete do presidente da ANP, Ansumane Sanhá, Deputada da Nação do Círculo de Bafatá, Suzi Barbosa, Deputado do Círculo da Europa, Iafai Sani e o Conselheiro do Presidente da ANP Óscar Barbosa.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

ESCRITO NA PEDRA: "Cada geração, partindo de uma relativa obscuridade, deve descobrir a sua missão, cumpri—la ou traí—la." Frantz Fanon

N'tarda pa findi alguin kadera. Didi men assim ki sabi? AAS

BURMEDJU UAK

OPINIÃO AAS: O Estado, essa bandalheira

O presidente da República da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, comprometeu seriamente o seu segundo mandato mas a pergunta que mais se ouve hoje é: mas será que vai acabar este? No Norte, durante a última parte da onerosa e inútil presidência aberta "para continuar a roubar a Guiné-Bissau", o presidente deu esse sinal:

"Sei que me querem apanhar, querem despedaçar-me como fizeram com o Roberto Cacheu". Quem disse isso não foi um irrefreável fanático mas um chefe de Estado - ainda que de uma república das bananas. JOMAV sabe que nós sabemos que ele sabe.

Mas o presidente da República tem de nos esclarecer - e à família ainda desesperada do malogrado - ONDE É QUE VIU O ROBERTO CACHEU SER DESPEDAÇADO e, já agora, por quem! JOMAV é um irresponsável, sem qualificação para o cargo que ocupa. Uma tragédia para o Povo! Envergonha os guineenses aqui e onde quer que estejam.

Fartei de alertar: Presidente, isto vai rebentar-lhe nas mãos! E o presidente a assobiar para o lado. E agora que lhe acabou a saliva...a CEDEAO decidiu tirar-lhe o fôlego. Um comunicado claro. E faltam 28 dias...

Quanto ao seu 'primeiro-ministro': Alpha Condé (presidente da Guiné-Conacri e da União Africana) "NÃO GOSTA DE FULAS" e Marcel de Souza, (presidente da Comissão da CEDEAO) "É MENTIROSO" chegam e sobram para ilustrar o frontal comunicado da organização sub-regional tornado público, esta semana, em Bissau.

José Mário Vaz é extremamente perigoso. É alguém capaz de atirar uma granada para dentro de uma sala cheia de gente apenas para ver o que acontece. Escolheu amigos e ladrões reconhecidos para cargos de 'ministro' - e cada um paga uma comissão! Isto mais parece uma casa de putas: dinheiro na mão, bunda na cama!
AAS

EXCLUSIVO DC: Estrada Buba/Catió - alguém (que não eu) meteu 9 milhões de euros nos bolsos

A construção da estrada BUBA/CATIÓ, lançada com pompa e circunstância há cerca de 1 mês...ainda não arrancou e já soma problemas. O primeiro, e mais grave, está no preço da obra: 29 milhões de Euros, contra os 21 apresentados pela empresa portuguesa Couto, conhecida e reconhecida internacionalmente.

A AREZKY, que não apresentou sequer uma quitação do ministério das Finanças (sem a qual não podia concorrer), viu ser-lhe adjudicada a obra, contra o espanto das outras quatro empresas, incluindo a Belinca Construções. Mais desenvolvimentos a seguir.

O 'ministro' das Obras Públicas, MARCIANO SILVA BARBEIRO, foi nomeado pelo próprio presidente da República, José Mário Vaz - era o seu chefe da Casa Civil...

Portanto, o ministério Público e o Tribunal de Contas devem AGIR RAPIDAMENTE para que se saiba quem LUCROU com os 9 milhões de euros. Caso para dizer que JOMAV plantou um ladrão em cada esquina! AAS

ATENÇÃO: 'Djintons' de transição estão agora a candidatar-se a fundos para (A)Fundações com documentos passados por baixo...tudo na base da malandrice, com o ex-director Fadia (hoje 'ministro' das Finanças do JOMAV) no leme. Mas DC está atento às manobras que estão a ser cozinhadas no BCEAO...AAS

DESCONTENTAMENTO NAS FA's: "Ou se retira a patente de general ao Umaro Sissoco, ou muitos de nós terão de ser promovidos...a generais!" E mais nada. AAS

NOTÍCIA DC - VISITA INDESEJADA: Macky Sall pode adiar visita

A viagem de Estado do presidente do Senegal, Macky Sall, à Guiné-Bissau, prevista para os dias 3, 4, 5 e 6 de maio corre novamente o risco d...