terça-feira, 17 de julho de 2018

PM António Costa: Portugal disponível para assegurar "todo o apoio" às eleições na Guiné-Bissau

O primeiro-ministro, António Costa, declarou hoje em Cabo Verde que Portugal está disponível para "assegurar todo o apoio humano, técnico e financeiro" à realização das eleições legislativas na Guiné-Bissau, como pediu o Presidente guineense.

"Tive oportunidade de, ainda há poucas semanas, receber o senhor primeiro-ministro da Guiné-Bissau para assegurar todo o apoio humano, técnico, financeiro, de Portugal à realização das eleições no próximo dia 18 de novembro", afirmou hoje o primeiro-ministro português, à margem da abertura da XII conferência de chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que decorre entre hoje e quarta-feira em Santa Maria, na ilha do Sal.

Hoje, o chefe do Governo português reuniu-se com o Presidente guineense, a quem reafirmou a posição portuguesa.

"Já tivemos uma missão técnica na Guiné-Bissau, acho que estão criadas todas as condições para que as eleições possam realizar-se com toda a transparência no dia 18 de novembro, que é a data fixada", sustentou. Lusa

PAIGC/PORTUGAL

CONVOCATÓRIA

A Comissão Política do PAIGC Diáspora Portugal, convoca a todos os militantes e simpatizantes, para uma reunião que se realizará dia 21 de Julho, das 15 ás 19 horas, na Casa da Juventude da Tapada das Mercês cito na rua Padre Alberto Neto ( edificio do mercado Municipal)
2725-531. Mem-Martins.

Na mesma teremos a presença dos membros da Direção Superior do Partido.

Ordem do dia:

1- Informação Geral
2- Apresentação Plano Estratégico .
3- Empossamento da nova Direção
4- Diversos

*A presença de todos é indispensável

O Presidente
Rui Francisco Pinto Ribeiro

CIMEIRA CPLP - ILHA DO SAL/CABO VERDE: Marcelo quer presidência cabo-verdiana forte

O Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta terça-feira esperar que a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) tenha, a partir de 2020 uma presidência “africana forte”, que dê continuidade à atual presidência de Cabo Verde.

Em declarações aos jornalistas, num hotel em Santa Maria, na ilha do Sal, Cabo Verde, onde esta tarde terá início a XII Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado sobre a pretensão da Guiné Equatorial de assumir a presidência rotativa desta organização em 2020.

Eu não queria também, por uma razão diplomática, estar a pronunciar-me sobre isso – diplomática, neste sentido: sobre essas matérias fala-se no quadro da cimeira, e não antes ou à margem da cimeira”, começou por afirmar o chefe de Estado português.

Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou: “Eu espero é que haja uma solução que dê continuidade a esta presidência, que é uma presidência forte [de Cabo Verde] e que haja, portanto, uma presidência forte. E, muito provavelmente, africana”. Lusa

CIMEIRA CPLP - ILHA DO SAL/CABO VERDE: Comandante Pedro Pires defende Guiné Equatorial na organização, quer o fim de "atitudes contra" e pede "paciência"

O antigo Presidente cabo-verdiano Pedro Pires defendeu esta terça-feira a presença da Guiné Equatorial na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), apelando aos Estados lusófonos para que sejam “pacientes” e abandonem “atitudes contra” o mais recente membro da organização.

Eu entendo que é melhor estar na CPLP do que fora. A CPLP não pode pretender ser mais do que a União Africana ou as Nações Unidas. Temos de ser iguais aos outros”, afirmou à Lusa o antigo primeiro-ministro e Presidente de Cabo Verde, Pedro Pires, em Santa Maria, ilha do Sal, onde esta terça-feira começou a XII conferência de chefes de Estado e de Governo da organização lusófona. Pedro Pires recordou que foi um dos defensores da adesão da Guiné Equatorial à CPLP, que ocorreu em 2014, mas que motivou polémica.

O antigo chefe de Estado cabo-verdiano apelou para que “não haja uma atitude contra” a Guiné Equatorial e que os países sejam “pacientes e insistam no bom sentido”. Pedro Pires recordou que a Guiné Equatorial é o único país africano de língua espanhola e os lusófonos são “os mais próximos”, até porque aquele país foi inicialmente colonizado por portugueses, antes de passar a colónia espanhola. “Não vejo razão para não reatar relações antigas e trabalhar no bom sentido”, sustentou.

PENA DE MORTE É "INACETITÁVEL"

A adesão da Guiné Equatorial como membro de pleno direito da CPLP ocorreu mediante o compromisso da promoção da língua portuguesa e da abolição da pena de morte, o que, quatro anos depois, ainda não aconteceu, apesar de as autoridades de Malabo afirmarem que está em vigor uma moratória sobre a pena máxima. O chefe da diplomacia de Cabo Verde, Luís Filipe Tavares, considerou recentemente que é “absolutamente inaceitável” ter um país com pena de morte na CPLP, o que classificou como “o problema mais importante e mais grave”.

Sobre a CPLP, que esta terça-feira celebra 22 anos, Pedro Pires defendeu que “é fundamental lutar pelo seu aperfeiçoamento e para a sua consolidação”. Nesta cimeira, “há algo interessante”, a proposta relativa à promoção da mobilidade. “Creio que já há mais abertura. Não há comunidade se não houver mobilidade, comunicação, relações humanas, que se fazem através da mobilidade”, considerou.

Pedro Pires considerou que se esta proposta avançar durante a presidência cabo-verdiana da CPLP, nos próximos dois anos, “é um ganho importante” para Cabo Verde, que “é um país de gente que emigra muito e precisa de ter boas relações com o resto”.

Durante a XII conferência de chefes de Estado e de Governo da CPLP, com o lema “Cultura, Pessoas e Oceanos”, Cabo Verde vai assumir o exercício da presidência desta organização, durante o período de dois anos. Lusa

Nações Unidas querem CPLP “mais robusta” na Guiné-Bissau

O representante das Nações Unidas para a Guiné Bissau, embaixador José Viegas Filho, defendeu esta segunda-feira uma representação “mais robusta” da comunidade lusófona em Bissau e um “adensamento das relações” diplomáticas bilaterais com os países membros.

Não temos Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) em Bissau, temos uma representante, mas gostaríamos de ter um posto mais robusto porque daria à CPLP uma projeção mais adequada e uma consistência maior” para uma política conjunta “a favor da lusofonia”, defendeu José Viegas Filho.

O representante especial do secretário geral das Nações Unidas e chefe do Gabinete Integrado das Nações Unidas para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau falava aos jornalistas, na cidade de Santa Maria, ilha do Sal, à saída de uma audiência com o primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva. No encontro, realizado à margem da cimeira dos chefes de Estado e de Governo da organização, serviu, segundo José Viegas Filho, para cumprimentar Cabo Verde pela assunção, por dois anos, da presidência rotativa da CPLP e para o sensibilizar para a questão da Guiné-Bissau.

Falei com o primeiro-ministro nesse sentido uma vez que Cabo Verde vai assumir a presidência da CPLP. A CPLP tem uma voz no grupo dos cinco, mas ela não se faz presente localmente. Seria muito bom que se fizesse presente em Bissau para participar nas discussões”, reforçou.

O representante das Nações Unidas sustentou também a necessidade de os países lusófonos, individualmente, terem representações diplomáticas em Bissau. “Os países lusófonos devem individualmente ter representações próprias em Bissau. Temos uma representação própria de Angola, mas não temos de Moçambique, temos do Brasil, mas não temos de São Tomé e Príncipe ou Cabo Verde. Poderíamos talvez pensar num adensamento das relações diplomáticas entre os outros países lusófonos e a Guiné-Bissau”, afirmou.

José Viegas Filho sublinhou a importância de as eleições legislativas na Guiné Bissau se realizarem na data prevista, a 18 de novembro, adiantando que delas depende a ajuda internacional ao país. “Acredito que vamos ver as eleições serem realizadas nessa data e isso revigorará o país e facilitará a ajuda da comunidade internacional à Guiné-Bissau. Esse é um dos objetivos que tenho como representante das Nações Unidas, fomentar a ajuda internacional”, disse.

Segundo José Viegas Filho, a realização de eleições “dará a credibilidade necessária às decisões do Governo” e provocará “mais simpatia da comunidade internacional”. “Sendo a Guiné-Bissau um país que necessita da ajuda externa para complementar os esforços localmente, a realização das eleições é um instrumento essencial para contar com a boa vontade da comunidade internacional”, reforçou.

Os chefes de Estado e de Governo da CPLP reúnem-se hoje e amanhã, na cidade de Santa Maria, na ilha cabo-verdiana do Sal, numa cimeira que marca a passagem da presidência da organização do Brasil para Cabo Verde. Lusa

DA PA DODU: IMPORTA-SE DE REPETIR?


"Graças a Deus, a situação política atual na Guiné-Bissau é muito positiva. Há estabilidade política hoje. As eleições [legislativas] já foram marcadas para o dia 18 de Novembro." Luís Filipe Tavares, ministro cabo-verdiano dos Negócios Estrangeiros

NOTA: Com que então a Guiné-Bissau está muito bem e só os guineenses não deram conta... Quem quer que passa informações ao MNE de Cabo Verde não faz o trabalho de casa. Com todo o respeito, senhor ministro, a Guiné-Bissau está uma boa merda!

Veja, senhor ministro, como os guineenses dormem nos hospitais - na rua! Ao relento! E são às dezenas! Só para o governo de Cabo Verde é que esta desgraça tem que ver com "estabilidade"...

A única razão que encontro para estas infelizes declarações do MNE de Cabo Verde é o FACTO de o MpD ser da mesma família política de uma organização criminosa conhecida pela sigla PRS...




Senhor ministro, estas fotografias foram tiradas ONTEM, dia em que o presidente José Mário Vaz viajou para Cabo Verde para participar na Cimeira da CPLP. Uma vergonha que tem de ser denunciada! AAS

DIREITOS HUMANOS: UA em Bissau para verificar

Uma missão da comissão da União Africana (UA) iniciou hoje consultas e reuniões com diferentes entidades públicas e da sociedade civil da Guiné-Bissau para saber o nível do respeito e proteção dos Direitos Humanos no país.

Chefiada pela angolana Maria Teresa, comissária da UA dos Direitos Humanos e dos Povos, a missão, que vai permanecer em Bissau até sexta-feira, tem encontros previstos com o Governo, partidos políticos, jornalistas, ativistas das organizações da sociedade civil, irá visitar hospitais, escolas, prisões, entre outras instituições.

Maria Teresa indicou que a sua missão está em Bissau "para saber se os direitos humanos estão a ser respeitados" no país "e, se não estiverem, saber o que é que se pode fazer para ajudar" a Guiné-Bissau, sublinhou.

A comissária que também tutela por Cabo Verde, Guiné-Equatorial, Moçambique e São Tomé, adiantou que a missão está na Guiné-Bissau para se dar a conhecer junto dos guineenses.

Com o objetivo de saber se a liberdades de expressão é respeitada na Guiné-Bissau, a equipa de Maria Teresa vai se encontrar com os jornalistas e para perceber se as manifestações são permitidas no país, tem um encontro com diversas organizações da sociedade civil.

"Estamos aqui para ouvir", notou Maria Teresa, frisando que a comissão tem três mandatos essenciais, promoção dos direitos humanos, proteção dos mesmos e interpretação da Carta Africana sobre os direitos humanos e dos povos. Lusa

EMBARGO TOTAL AOS DISPARATES E ÀS MENTIRAS DO PRESIDENTE JOMAV NA CIMEIRA DA CPLP. AAS

Bissau de novo sem energia eléctrica. LADRÕES não nos dão descanso... AAS

segunda-feira, 16 de julho de 2018

MAIS VERGONHA: Documento da nossa embaixada em Lisboa


Ao Embaixador Hélder Vaz: contrate alguém para escrever os textos... Erros de palmatória, dados inexpressivos, enfim... AAS

PARA OS POVOS DA CPLP: É assim que José Mário Vaz, presidente da Guiné-Bissau, deixou o país, hoje, dia em que viajou para Cabo Verde para participar na Cimeira da CPLP. Uma vergonha que tem de ser denunciada! AAS

"Apesar de não terem a nitidez que gostaria que tivessem, dá para ver em que condições pernoitam, na zona frontal da maternidade do Hospital Nacional Simão Mendes, os familiares das parturientes.

João André da Silva"

SÓ PARA RECORDAR...: CIMEIRA CPLP - ILHA DO SAL: Os guineenses que promovam protestos contra o presidente José Mário Vaz, que encheu o país de ladrões - que protege descaradamente. Digam-no para ver o exemplo em que Cabo Verde se tornou. E que tenha vergonha na cara! AAS


JOMAV será a única nódoa negra desta Cimeira. CPLP não devia permitir a presença de chefes de Estado com tiques totalitários e ditatoriais

Guiné-Bissau conquista Medalha de Ouro na Categoria dos 86 kg da 11ª Edição do TOLAC

Guiné-Bissau conquista Medalha de Ouro na Categoria dos 86 kg da 11ª Edição do Torneio da Luta da CEDEAO denominada TOLAC 2018 (Tournoi de Lutte Africaine de Communauté de la CEDEAO). O torneio decorreu em Niamey, capital do Níger e juntou 12 dos 15 países da Comunidade.



O atleta Camnate Negado foi o grande protagonista de mais uma proeza daquela que é a Federação Nacional que mais triunfos conseguiu a nível internacional.

De referir que desde a sua fundação em 1988 a Federação de Luta já conquistou mais de 50 Medalhas. O mandato da actual direcção liderada pelo jornalista Muniro CONTE bateu todos os recordes totalizando 22 Medalhas em 4 anos.

CIMEIRA CPLP - ILHA DO SAL/CABO VERDE: DSP espera avanços sobre economia e mobilidade

O antigo secretário executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) Domingos Simões Pereira espera que a próxima cimeira da organização trate os temas económicos e a circulação dos cidadãos lusófonos, saudando Cabo Verde por “revisitar” as questões da língua.

“Espero que a cimeira do Sal traga novos desafios para a organização. No passado recente já se tentou introduzir os temas económicos e os desafios de uma maior circulação de pessoas e bens no espaço comunitário”, considerou o antigo responsável da CPLP, falando à Lusa a propósito da XII conferência de chefes de Estado e de Governo da comunidade, que decorre na terça e na quarta-feira em Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde.

Domingos Simões Pereira, que chefiou o secretariado executivo da CPLP entre 2008 e 2012, salientou que a organização “depende daquilo que os Estados queiram delegar como intervenção” da comunidade.

O também antigo primeiro-ministro guineense e líder do PAIGC comentou que gostaria de ver resolvida a questão da mobilidade dos cidadãos lusófonos, mas, alertou, a CPLP “não vai poder resolver se os Estados não cederem à organização essa competência e oportunidade”.

“Espero que a questão económica possa ser tratada”, referiu ainda.

A facilitação da circulação dos cidadãos lusófonos é uma medida que tem sido defendida há muito no seio da CPLP, em particular por Portugal e Cabo Verde.

Na próxima conferência de chefes de Estado e de Governo, deverá ser aprovada uma resolução que incentive os países a aprofundar a mobilidade, mas Cabo Verde já assumiu o compromisso de procurar avançar nesta área, durante a presidência temporária da CPLP, que assegurará a partir da cimeira.

Cabo Verde também quer incentivar a cooperação económica e empresarial.

Simões Pereira saudou ainda o facto de Cabo Verde querer “voltar ao ponto de partida, revisitando as questões que têm a ver com a língua”.

Cabo Verde, sublinhou, “está muito bem posicionado para aportar um contributo extraordinário à organização”.

O antigo responsável considerou que “há muitos assuntos que noutros Estados-membros ainda são temas de difícil abordagem e que Cabo Verde tem uma relativa facilidade em tratar”, apontando como exemplos “uma certa pacificação na relação entre a sociedade civil e as instituições públicas” ou “políticas públicas que em Cabo Verde são bastante mais pacíficas, como as questões dos direitos humanos ou liberdade de expressão”.

Domingos Simões Pereira expressou a sua satisfação por a CPLP, que celebra 22 anos, “continuar viva e a justificar a sua existência”.

Durante a XII conferência de chefes de Estado e de Governo da CPLP, com o lema “Cultura, Pessoas e Oceanos”, Cabo Verde vai assumir o exercício da presidência desta organização, durante o período de dois anos.

Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste são os Estados-membros da CPLP. Lusa

ENERGIA: Bissau está sem luz desde as 9 horas. Era só, cambada da ladrões. AAS

PM António Costa: Portugal disponível para assegurar "todo o apoio" às eleições na Guiné-Bissau

O primeiro-ministro, António Costa, declarou hoje em Cabo Verde que Portugal está disponível para "assegurar todo o apoio humano, técni...