sábado, 28 de maio de 2016

"Guiné-Bissau voltará a ser tomado por redes do crime organizado e pelo narcotráfico"


No Jornal 2 da RTP, Felipe Pathé Duarte lembra que "estamos a falar de um primeiro-ministro que está a ser nomeado sem qualquer legitimidade".

O analista de política internacional diz que "a comunidade internacional tem o dever de encontrar financiamento para que o país possa realizar eleições legislativas".

De lembrar que o o presidente da república optou por nomear um novo governo depois de um impasse político no país invocando o facto de a Guiné-Bissau não ter disponibilidade financeira para pagar uma nova consulta popular.

O porta-voz do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo teme que o país "volte a ser tomado por redes de crime organizado e de narcotráfico". Não existindo um estado forte e organizado, e "existindo um conjunto de interesses", garante "há margem para que a Guiné-Bissau se torne a prazo um narco estado", o que "não é do interesse da comunidade internacional, mas também não é do interesse de Portugal", com quem o país tem laços muito estreitos.