segunda-feira, 4 de julho de 2016

Bronca no palácio


A empresa guineense que fez as obras de vedação do palácio da República, ficou a arder. Mais de 100 milhões de FCFA desapareceram para os bolsos, presume-se que do arquitecto responsável e cunhado do PR, Pierre Goudiaby.

Depois da reclamação junto dos serviços da presidência, JOMAV despachou para Rabat um dos conselheiros, o Marciano Barbeiro. Lá, garantiram-lhe que "foi tudo pago." Agora, a empresa em causa poderá despedir cerca de 500 trabalhadores...AAS

ASSALTO NA MADRUGADA: QUEM É QUEM

AGITADORES: De costas, de pólo encarnado, trabalha no palácio: chama-se Mussá Turé e foi dos primeiros a chegar à sede e posicionou-se na p...