sábado, 9 de julho de 2016

União Europeia vai mandar missão a Bissau para estudar imposição de sanções aos políticos


A União Europeia vai mandar brevemente para Bissau, "uma equipa mista composta por políticos e peritos para estudar a imposição de sanções a políticos Guineenses" com comportamentos desviantes, apurou o DC junto de uma fonte da organização.

"Guiné-Bissau tem de mudar, custe o que custar, caso contrário a segurança dos próprios europeus estará em causa nesse País (uma clara alusão ao terrorismo...) Para já, as sanções impostas aos militares envolvidos no golpe de Estado de 2012 vão manter-se, e avançaremos para sancionar políticos e pessoas envolvidas nesta crise que já dura um ano", revelou a mesma fonte.

Para já, a UE mandou reforçar a segurança das suas instalações no bairro da Penha, nos arredores de Bissau. Mais um metro e sessenta de muro, e dois portões a separar a rua das instalações (a viatura entra, mas tem outro portão à frente).



Tanto europeus como norte-americanos, não gostaram de saber, pela CEDEAO, da recusa do PR JOMAV em receber os quatro chefes de Estado da sub-região, mandatados pela resolução final da cimeira da organização realizada em Dacar, no mês de Junho.

"Logo depois da cimeira, a CEDEAO enviou uma equipa avançada, cujo papel seria ouvir as partes e preparar as reuniões. Não tiveram sucesso porque houve falta de vontade, e foram quase corridos do País", disse ao DC a mesma fonte.

Os EUA também ponderam impor sanções a políticos (notícia oportunamente divulgada pelo DC) estando apenas a aguardar a decisão do Supremo Tribunal de Justiça "que tarda em ver a luz do dia", disse ao DC um diplomata da representação diplomática norte-americana em Dacar, no Senegal. AAS