quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Depois de Conacri...


...O Presidente da vizinha Guinée, Alpha Condé e a sua homóloga da Libéria, Ellen Sirleaf Johnson, receberam luz verde da CEDEAO para se deslocarem a Bissau. Era uma espécie de último fôlego para demover o JOMAV. Surpresa das surpresas, o PR mandou dizer que "não os recebia" por motivos de 'agenda', revelou ao DC uma fonte da organização sub-regional.

A CEDEAO, pela primeira vez, mostra que tem garras: vai obrigar o presidente a aceitar uma figura (o Olivais, ou outra) proposto pelo PAIGC - partido vencedor das eleições legislativas de 2014.

"Finalmente fizemos ver aos países da nossa comunidade que na Guiné-Bissau o regime é semi-presidencialista, ao contrário da esmagadora maioria dos países da CEDEAO." Se José Mário Vaz persistir na sua tentativa de bloquear o País e os ganhos obtidos pelo governo do PAIGC, terá sérios problemas e tão cedo não viajará para a Europa - será incluído na lista de sanções. Isso é claro como água.

"O programa Terra Ranka é o passaporte para a felicidade dos Guineenses e que obteve ganhos extraordinários em Bruxelas. Tão cedo a Guiné-Bissau não mobilizará estes recursos e não convém desperdiçar isso", continuou a mesma fonte.

Outra figura preponderante a que a CEDEAO recorreu para demover o presidente guineense é o recém reeleito presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, que toma posse hoje na cidade Praia...e terá o JOMAV como convidado. A ver se aprende, recua e tire os parcos recursos do País das patas dos seus ladrões. AAS