domingo, 23 de outubro de 2016

"Só há no mundo uma coisa pior do que ser objecto de falatórios: é não o ser" - Oscar Wilde


"Aly,

Escolheste não viver no quase, nessa apatia e indiferença que corrompe e destrói a alma, que mata a esperança de um talvez. E mesmo quando as contrariedades da vida e a inteligência te fazem sofrer de crises de misantropia, queres continuar a acreditar.

Bem sabes que o caminho de seres tu próprio, essa coerência e fidelidade àquilo que és e que vives, está longe de ser o mais fácil. Sabes bem quem és, pequenino e frágil, ousado e corajoso, ao escolheres esse trilho tantas vezes solitário, mas que te permite viver pleno, em paz, fiel a quem és.

Bem sabes que não deves ter de merecer a aprovação ou a amor de alguém, algo que é, por definição, gratuito. Mas é nesse desejo íntimo e profundo de seres e te sentires amado (como qualquer ser humano) que enraizas o desejo firme de continuares a viveres fiel àquela que sentes ser a tua missão, ousando ser, ousando lutar com palavras, ousando silenciar, ousando seres mal amado, ousando acreditar, ousando seres quem és.

E como diz e muito bem a citação de Wilde, "Só há no mundo uma coisa pior do que ser objecto de falatórios: é não o ser".

As pessoas podem não gostar ou simpatizar contigo. Estão no seu direito. Gostar é somente isso mesmo, um sentimento que não controlamos e que tantas vezes nasce da ignorância, do olhar comprometido perante a transparência de quem não usa máscaras, dos preconceitos de quem não ousa ousar, da insegurança e do medo de quem vê reflectido no outro aquilo que é ou que deseja ser... Já amar é uma escolha, uma opção feita de muita entrega e de cedências, de partilha desinteressada, de sofrimento, desse dom gratuito que não temos de merecer.

Pois bem. É verdade: quantas vezes não passou pelas nossas cabecinhas aquela vontade de esganar pessoas, talvez numa tentativa de fazê-las acordarem dos mundinhos medíocres e banais onde vivem? Temos vontade de sacudi-las e obrigá-las a serem mais perspicazes.

Acredito e sei que existem pessoas com boa disposição para serem honestas, lúcidas e, acima de tudo, íntegras. Seres capazes de perceber a pequenez do Homem, porém, não se apequenando com tal coisa. São pessoas que reconhecem as suas próprias imperfeições, mas nem por isso se acomodam. Ser assim não me provoca nenhuma culpa.

Às vezes, as pessoas preferem silenciar o que pensam por medo de serem incompreendidas ou mal interpretadas. Ora, pensar assim, até certo ponto, parece-me sensato. Mas, se tomado como regra diária e geral, transforma-nos em cínicos e cobardes, seres incapazes de correr o risco de provocar, mesmo sem intenção, o desconforto e a antipatia de determinados grupos. Afinal de contas, só os tolos e inseguros tentam agradar a todos. Somente os ingénuos ou dissimulados agem assim. Porque não suportam (nem comportam) a ideia de não parecerem perfeitos.

Acho que este é o TEU retrato (ou antes, o teu não retrato). E acredita que te compreendo.

Bem menino, não te vou dizer para leres O Principezinho, pois há muito que passaste na cadeira Introdução às relações humanas, mas que continues a ler a voz da tua alma e, sobretudo, a voz do teu coração. E que continues também a dar voz e expressão aos teus medos e inseguranças, pois é na humildade e na pequenez que se manifesta a verdadeira força de carácter.

Desculpa não estar propriamente muito inspirada, mas só quis escrever-te umas palavras neste dia tão especial.

Estamos juntos!
Mónica
"

Obrigado. AAS