quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

OPINIÃO AAS: Não se mudam as regras a meio do jogo


A presidente da Libéria, o FMI ou quem quer que seja NÃO mandam na Guiné-Bissau; quem manda na Guiné-Bissau é o Povo da Guiné-Bissau, que vota para ter um presidente, vota depois nos partidos para o parlamento (ANP) e vota ainda (neste caso votou maioritariamente) num partido para este formar um Governo.

Está tudo bem explicado na nossa Lei Magna. Esta história de que o primeiro-ministro tem de merecer a confiança do presidente da República, é MENTIRA e é DESONESTO. Mudar as regras a meio de um jogo é pura canalhice!

O acordo de Conacry diz que os 15 (agora são 14) devem ser reintegrados no PAIGC para CUMPRIR com o que está escrito nos estatutos do partido (coisa que violaram, precipitando o País para o caos que ainda conhecemos). Se o PAIGC os quer de volta, isso é outra história...

Presidente da República, José Mário Vaz: deixe as manobras dilatórias para terceiros. Cumpra com o que diz a nossa CONSTITUIÇÃO. Depois tratamos do resto. Poupe este Povo, que já nasceu cansado, a mais sofrimento. Estamos em dezembro, uma época de compaixão - se é que a tem...
AAS