sábado, 31 de dezembro de 2016

ALERTA: António Aly Silva jurado de morte por um cidadão estrangeiro


Participação feita à POLÍCIA JUDICIÁRIA NO DIA 29 DO CORRENTE MÊS. (SE A PJ INTIMOU - OU NÃO - O CHICO, JÁ NÃO É UM PROBLEMA MEU...)

"Este indivíduo é reincidente, tem muitas queixas na PJ" - disse um inspector da PJ ao DC.

No passado dia 28, por volta da meia-noite, fui seguido e abruptamente abordado pelo Sr. FRANCISCO DE FÁTIMA BARROS, vulgo Chico:



Estás a provocar-me. Tem muito cuidado”, disse-me num tom exaltado.

Mas eu não estava a provocá-lo, aliás, nem conhecia o carro no qual estava, um SUV preto de matrícula portuguesa. Não conheço e nem tenho de conhecer. A verdade é que ultrapassei essa viatura minutos antes junto à sede da UDIB.

Ele, pelo contrário, conhecendo o meu carro viu-se na necessidade de me perseguir até a um hotel no centro da cidade para me confrontar com uma notícia publicada no meu blogue ditaduradoconsenso.blogspot.com, com uma acusação do presidente dos EUA, Barack Obama:

AQUI

Notícia prontamente desmentida pelo visado Sr. FRANCISCO DE FÁTIMA BARROS, vulgo Chico, e de que também dei conta no mesmo blogue:

AQUI

O Sr. FRANCISCO DE FÁTIMA BARROS, que estava armado, insultou-me diversas vezes, empurrou o guarda do hotel que tinha vindo evitar o problema, gritou, gesticulou.

Depois, ameaçou-me de morte dizendo, com a mão na pistola que trazia à cintura, que não tinha medo de nada nem de ninguém na Guiné-Bissau. “Mandei o general ANTÓNIO INDJAI para a puta que o pariu, chamei-lhe todos os nomes”, afiançou.

Revelou ainda que quando eu estava em Cabo Verde (seu País e onde não pode regressar por problemas relacionados com a justiça), “amigos meus disseram que podiam matar-te. Disse-lhes que não, porque eu mesmo vou fazé-lo assim que ele regressar a Bissau”.

Anos atrás, já depois da acusação do presidente Obama, ele viu-me em Bissau e veio ameaçar-me. Respondi-lhe que “não admitia isso e que nenhum estrangeiro me ameaçaria na minha terra”.

A verdade é que o Sr. FRANCISCO DE FÁTIMA BARROS, mostrou ser um cobarde, pois deveria era pedir explicações ao presidente Barack Obama e não a mim, um simples jornalista cujo papel é fazer passar as mensagens. O Sr. FRANCISCO DE FÁTIMA BARROS, que matar o mensageiro!

Ao Chico, deixo este aviso: se eu morrer, você morrerá de seguida e juntamente com toda a tua família em Bissau!!! Militares, amigos meus, foram informados, bem como os Serviço de Informações do Estado.

Com Conhecimento à Liga Guineense dos Direitos Humanos

António Aly Silva
Jornalista/cidadão guineense

Boas festas, Engº. Domingos Simões Pereira


Parabéns, DSP



A traição é um cancro no PAIGC.

José Mário Vaz foi catapultado para a Presidência da República pelo PAIGC quando já estava com um pé na prisão por desvio de fundos públicos. Traiu o PAIGC, lançando uma luta inglória contra o seu próprio partido para defender interesses obscuros e mesquinhos.

Baciro Djá, jovem político, foi catapultado a quarta figura do PAIGC no Congresso de Cacheu, e a segunda figura do I governo da presente legislatura dirigida por Domingos Simões Pereira. Traiu o PAIGC, aliando-se a José Mário Vaz e a Braima Camará para dar um golpe no seu próprio partido.

A traição de José Mário Vaz, de Baciro Djá, de Braima Camará e dos demais elementos dos Quinze custou caro ao PAIGC. De partido vencedor das eleições legislativas com maioria absoluta, o PAIGC foi empurrado para a oposição e o poder oferecido de bandeja ao PRS.

Estes são apenas alguns casos mais recentes de traição no PAIGC. O fenómeno, porém, é recorrente. No passado, vários dirigentes do PAIGC conspiraram contra a direcção do seu próprio partido. Essas traições tiveram custos políticos enormes para o partido e para os seus líderes, como aconteceu por exemplo com Carlos Gomes Júnior.

Mas desta vez as coisas são diferentes. Domingos Simões Pereira tem sabido defender-se dos sucessivos golpes que lhe têm sido desferidos, lutando inteligentemente contra os traidores que se apoiam nos poderes constitucionais do Presidente da República para fragilizar e aniquilar a actual direcção do PAIGC, ao mesmo tempo que tem conseguido manter a unidade do partido, oferecendo e liderando um projecto com visão de longo prazo.

Até hoje os traidores não conseguiram alcançar os seus objectivos. Não há sinais de que possam conseguir afastar Domingos Simões Pereira da liderança do PAIGC; foram punidos exemplarmente; e vêem o Congresso aproximar-se sem terem uma estratégia credível para dar a volta à situação. Daí o desespero que se vê nos últimos tempos: verborreias, ameaças com processos judiciais, prisão, espancamento, e até morte.

José Mário Vaz e os seus acólitos estragaram uma legislatura que tinha começado com os sinais mais promissores. 2017 será um ano decisivo. Se Domingos Simões Pereira conseguir manter-se firme na liderança do PAIGC, ganhar o Congresso de Bolama em Fevereiro de 2018 e conduzir o PAIGC à vitória nas eleições legislativas de Abril de 2018, será um duro golpe contra a horda de traidores e um aviso sério a todos de que a traição impune tem os seus dias contados no PAIGC.

Que assim seja. AAS

PESCADINHA DE RABO NA BOCA...LANDIM, EXPLIQUE-SE!!!

CCIAS: A mesa da assembleia-geral deseja bom ano a todos...

NOTÍCIA DC: Perseguição Ilimitada - O presidente do PAIGC, Domingos Simões Pereira, será ouvido pelo ministério Público no próximo dia 5, no parlamento. A perseguição continua... AAS

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

ORGULHO: Guineense distinguidos



CARLOS LOPES e PAULO GOMES, cidadãos guineenses, foram designados pela revista Económica "FinancialAfrik" entre 100 pessoas que mais contribuíram para o desenvolvimento do continente africano em 2016.

Saiba mais AQUI

União Europeia preocupada com alegado plano para deter líder do Parlamento guineense


O representante da União Europeia na Guiné-Bissau, o português Vítor Madeira dos Santos manifestou-se hoje preocupado com as informações sobre um alegado plano para prender e destituir o líder do Parlamento guineense, Cipriano Cassamá.

Vítor Madeira dos Santos assinalou que a comunidade internacional «estará atenta» por estar preocupada com a «contínua onda de rumores» que, afirmou, impedem a Guiné-Bissau de terminar o ano com serenidade e confiança no futuro.

O alegado plano foi denunciado na terça-feira em Bissau por Nuno Nabian, candidato derrotado na segunda volta das últimas eleições presidenciais guineenses e atual líder da Assembleia do Povo Unido - Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB).

Segundo Nabian, o plano estaria a ser orquestrado pelo Governo e passaria pela detenção de Cassamá que seria destituído para dar lugar a uma nova liderança no Parlamento para desta forma facilitar a aprovação do programa de ação do executivo do primeiro-ministro Umaro Sissico Embaló.
Quatro dos cinco partidos no Parlamento não reconhecem o atual Governo e prometem não aprovar o seu programa no hemiciclo bem como o Orçamento Geral do Estado, situação que poderia levar o chefe do Estado guineense, José Mário Vaz, a demitir a equipa de Sissoco Embaló.

A Constituição guineense dá até 60 dias ao primeiro-ministro para que faça aprovar o seu programa de ação e o Orçamento Geral no Parlamento caso contrário o Governo é demitido pelo chefe do Estado.

Para dar conhecimento sobre a alegada ameaça de que é alvo, o presidente do Parlamento guineense, Cipriano Cassamá reuniu-se hoje com os representantes da comunidade internacional e com a Liga dos Direitos Humanos.

Em nome da comunidade internacional, o representante da União Europeia disse terem sido informados por Cassamá sobre a denúncia feita por Nuno Nabian da qual tomaram nota e prometem acompanhar o evoluir da situação.

O presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, Augusto da Silva, disse que a sua organização vai continuar a monitorar a situação e espera que a denúncia, por ser pública, deve merecer a investigação por parte do Ministério Público.

Um porta-voz do presidente do Parlamento guineense, Inácio Tavares, responsabilizou, na quarta-feira, o chefe do Estado, José Mário Vaz, de ser o autor do suposto plano de detenção e destituição de Cipriano Cassamá. Lusa

EXONERAÇÕES DITATORIAIS: Todos os governadores regionais foram exonerados. Ontem, foi a vez do presidente da Câmara Municipal de Bissau, Adriano Ferreira (Atchutchi). Para o seu lugar querem nomear o dirigente do PRS, Baltazar Cardoso. AAS

PAIGC: Salão Amilcar Cabral está composto e DSP já fala

ESTÃO CONVOCADOS: DSP vai falar agora, na sede doo PAIGC.

ANP aconselha JOMAV a implementar o Acordo de Conacry

O Gabinete do Presidente do Parlamento exortou hoje o Presidente da República, José Mário Vaz, a "concentrar as suas energias na implementação dos acordos de Bissau e de Conacry" e na resolução dos graves e permanentes problemas que afectam o povo guineense, pedindo ainda ao PR que pare com "declarações inflamatórias”.

Inácio Tavares, assessor de imprensa do presidente da ANP, Cipriano Cassama, reagia às denúncias do presidente do partido APU-GB (Nuno Nabiam), em como José Mário Vaz "tem um plano para forçar a aprovação do Programa do Governo de Umaro Sissoco através de um assalto ao Parlamento, a detenção do seu líder, a constituição de uma 'nova mesa'" (na qual o PAIGC tem maioria), que passaria a dirigir o órgão. “Pela sua gravidade, as mesmas devem merecer preocupação e repúdio de todos os guineenses e da comunidade internacional”, acrescentou Inácio Tavares.

O gabinete do presidente do parlamento acusou também o nado-morto “Movimento de Apoio ao Grupo dos 15” (número de deputados expulsos do PAIGC) de estar a promover a violência e a intimidar pessoas.

"O presidente do Parlamento não manda nos seus órgãos porque são autónomos”, sublinhou Inácio Tavares. "Os órgãos deliberam na base de orientações políticas dos seus membros, são responsáveis pelas suas próprias e respectivas deliberações", disse. AAS

VICTOR MANDINGA SUSPENSO: O Conselho Nacional de Jurisdição do Partido da Convergência Democrática (PCD) suspendeu hoje por um período de dois anos e meio, oito membros do partido. Na lista, consta o nome de Victor Mandinga vulgo Nado Mandinga, deputado do PCD e actual ministro do Comércio do Governo do 'primeiro-ministro de iniciativa presidencial'. AAS

NOTÍCIA DC: JOMAV vs SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO DO ESTADO - FEIJÃO TEM TOUCINHO


A guerra declarada e desavergonhada pelo controlo total do poder na Guiné-Bissau por parte do presidente da República, José Mário Vaz, atingiu agora um nível perigoso: JOMAV ataca o Serviço de Informações do Estado (SIE) mas o que quer mesmo é atingir o director-geral desta força de segurança, o Coronel Antero João Correia, um homem digno e que conhece em profundidade o seu trabalho.

Ditadura e Consenso pode afirmar agora com cem por cento de certeza que o presidente José Mário Vaz quer nomear para esse lugar o seu conselheiro - e amigalhaço - AVELINO CABRAL, que as más línguas do palácio dizem ser o 'co-presidente da República'.... Cá está o AVELINO CABRAL, apanhado a verter águas no forte da Amura:


AVELINO CABRAL, Conselheiro do presidente da República



O Coronel Antero João Correia, como DC publicou ontem, escreveu ao Umaro Sissoco a 28 de novembro, pedindo a sua demissão do cargo de director-geral dos Serviços de Informação do Estado. Até hoje não obteve uma resposta.

À
CEDEAO, CPLP, UNIÃO AFRICANA, UNIÃO EUROPEIA, ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS


José Mário Vaz tem de ser travado, caso contrário teremos um banho de sangue neste País não tarda nada. Desta vez - e peço-vos que acreditem nisto, que o levem muito a sério - nenhum cidadão estrangeiro será evacuado da Guiné-Bissau. Ficarão aqui mesmo para, juntos, vivermos o inferno! AAS

NOTÍCIA DC: Ditadura e Consenso apurou junto de uma fonte na presidência da República, que o presidente José Mário Vaz, instruiu o seu 'primeiro-ministro', Umaro Sissoco no sentido de ser retirada a segurança pessoal ao presidente do PAIGC, Domingos Simões Pereira. Elementos da polícia de Intervenção Rápida e dos Serviços de Segurança do Estado, num número não revelado, protegem o presidente dos libertadores. AAS

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

DSP, O homem que tira o sono ao JOMAV: Presidente da República soube pelo blogue DC que o DSP chegava hoje. Resultado? Mandou encher a praça dos Heróis Nacionais Nacionais de polícias...Viva o Domingos Simões Pereira!!! Bem vindo a casa, Engenheiro. AAS

PAIGC: Denúncias do Nuno Nabian

PARTIDO AFRICANO PARA A INDEPENDÊNCIA DA GUINÉ E CABO-VERDE
SECRETARIADO NACIONAL

Comunicado de Imprensa

O PAIGC chama a atenção dos guineenses e da comunidade internacional para o facto de um líder partidário, mais precisamente, o Presidente da Assembleia do Povo Unido (APU – PDG) ter vindo ao público denunciar graves e perigosas ameaças que podem pôr em risco de vida algumas personalidades políticas, bem como o da existência e prática de tráfico de armas e de drogas no presente momento na República da Guiné-Bissau.

Para o PAIGC estas corajosas e patrióticas denúncias públicas têm um suporte lógico e sequencial se se tomar em devida conta alguns elementos que devem merecer não somente conhecimento, como uma atenta análise e profunda reflexão de todos quantos neste país pugnam pela defesa da liberdade, democracia e das leis que regem este país.

Na verdade, o PAIGC quer tão-somente relembrar que nos últimos tempos, registaram-se os seguintes factos:
O Presidente da República ao nomear e empossar um Primeiro-Ministro e o seu Governo de Iniciativa Presidencial, rejeitou categoricamente o Acordo de Conakry;

após o seu regresso da Cimeira de Abuja afirmou que o Governo por ele nomeado continuará em funções até ao termo da legislatura;

O Presidente da República afirmou publicamente de que podia mandar matar, prender, torturar, etc, etc, e que só o não fazia porque o seu irã de Missurum não o autorizava;

Surge de forma repentina e programada previamente em reuniões ocorridas na casa de alguns dirigentes proeminentes do chamado “Grupo dos 15” um autointitulado “Movimento de Quadros Jovens do PAIGC fiéis aos 15”, que leva a cabo, inclusive, uma conferência de imprensa num dos hotéis da nossa capital, antecedida por reuniões preparatórias, na sequência da qual exprimem ameaças públicas de que invadirão a Sede Nacional do PAIGC e destituirão o Presidente do Partido e criarão, para aquilo que apelidaram de uma “Comissão de Gestão”, bem como, farão a mesma coisa em relação à Assembleia Nacional Popular, prendendo ou matando o próprio Presidente da ANP e todos quantos lhes opusessem;

Os acólitos do Presidente da República começam a seguir as orientações do seu líder e mentor, brandindo a perigosíssima arma do tribalismo quando, por exemplo, recentemente o Primeiro-Ministro de Iniciativa Presidencial afirma perante os fulas de Gabú que agora foi escolhido um dos seus para chefiar o atual Executivo;

É perante todos estas afirmações, eivadas de uma ameaça que denotam uma clara intenção de implantar um regime ditatorial num país que fez da liberdade, democracia e respeito pelos direitos humanos a sua bandeira de luta contra a pobreza, que o PAIGC chama a atenção dos seus militantes e do povo guineense, em geral e da comunidade internacional, em particular, de que se manterá firme e coeso na defesa dos valores que lhe levaram à vitória contra o colonialismo.

O PAIGC partindo do princípio de que não há fumo sem fogo e tomando em linha de conta de que na Guiné-Bissau os boatos e as ameaças veladas ou escamoteadas se tornam sempre e invariavelmente uma triste e condenável realidade, adverte o Presidente da República de que ele será responsabilizado por tudo quanto venha a acontecer na Guiné-Bissau, cujas consequências imprevisíveis poderão catapultar o país em direção ao abismo.

Uma vez mais o PAIGC regista com muita apreensão alguma passividade da comunidade internacional, e muito em especial da parte da CEDEAO, União Africana e das Nações Unidas perante estas situações de desvairo e de ilegalidades que estão sendo levadas a cabo pelo Senhor Presidente da República e os seus acólitos, numa clara, perigosa e sistemática violação da Constituição da República e demais leis que regem este país forjado na luta.

Perante todos estes graves factos que atentam contra os pilares do Estado de Direito Democrático e tendo em devida conta a gravidade destas afirmações e denúncias e das consequências imprevisíveis que podem acarretar para o país, o PAIGC pergunta qual o papel que a Procuradoria-Geral da República está a desempenhar neste processo.

O PAIGC exorta o Presidente da ANP a continuar a pautar a sua atuação em estrita observância aos preceitos constitucionais e regimentais, não obstante as sérias ameaças que impendem sobre ele e os seus mais diretos colaboradores, com a certeza de que continuará a ter o apoio de todos os verdadeiros militantes do nosso grande Partido e de uma esmagadora maioria do povo guineense.

A terminar, o PAIGC reafirma a sua decisão de continuar a lutar contra tudo e todos os que buscam em nome dos seus interesses pessoais e de grupo subverter as leis e tentar a todo o custo continuar a beneficiar em proveito próprio o trabalho corajoso, patriótico e de sacrifício que o povo guineense continua a prestar ao país.

Neste sentido, o PAIGC chama uma vez mais a atenção da comunidade internacional, em especial aos Representantes da UNIOGBIS e Pessoal do Secretário-Geral das Nações Unidas, da CEDEAO e da União Africana perante as grosseiras e perigosas violações à Constituição da República e demais leis, às ameaças de matar, prender e torturar e à recusa de cumprir os Acordos de Bissau e de Conakry, considerados pelos principais parceiros internacionais como o único instrumento suscetível de fazer ultrapassar a grave crise que o país enfrenta por obra e graça do Senhor Presidente da República e dos seus acólitos.

Bissau, 29 dezembro de 2016.
O PAIGC

REGRESSO EM FESTA: O presidente do PAIGC, Domingos Simões Pereira, regressa hoje a Bissau, e espera-se uma apoteose no aeroporto. Convocam-se os dirigentes, militantes e simpatizantes do PAIGC, partido de Cabral, para, às 18:30 horas estarem em peso no aeroporto Osvaldo Vieira. AAS

NOTÍCIA DC: Ministério Público recebe denúncias e prepara arrastão no ministério das Pescas

No ministério das Pescas, na era do agora ex-ministro Landim, o tempo era de peixes gordos. Ditadura e Consense sabe que foram emitidas cerca de 300(!?) 'licenças' de pesca. Existe uma denúncia feita ao ministério Público (MP) contra o ex-ministro Fernando Correia Landim, o financeiro Herculano Encada e o coordenador do FISCAP, Mario Fambé.

Um dos pontos da denúncia feita ao MP fala no desvio, dias antes de demitido o 'governo' do Baciro Dja, de 180 milhões de Fcfa (pouco menos de 300 mil euros), também da existência de uma conta no Orabank cujo movimento precisaria de única assinatura: a do poderoso Herculano Encada.

"Todos os directores no ministério das Pescas têm pelo menos uma empresa, seja de pescas, de agenciamento ou outra". O ministério Público ainda não se chegou à frente, pois "os conluios são muitos", disse uma fonte do MP ao DC. AAS

Cassama desmascara JOMAV

Foi adiada para amanhã, a reunião convocada pelo presidente da Assembleia Nacional Popular (ANP), Cipriano Cassama, com o chamado grupo P5 (CEDEAO, ONU, UA, UE e CPLP). O objectivo da reunião é alertar a comunidade internacional para as manobras menos claras teleguiadas a partir da presidência da República.

Ainda amanhã, o presidente da ANP manterá encontros com os embaixadores da Guiné-Conacry, de Portugal, da França, da Gâmbia, do Senegal e da África do Sul. Cassama pretende desmascarar atitudes menos claras por parte do presidente da República, feitas à revelia dos serviços da Segurança do Estado. AAS

SEGURANÇA DO ESTADO: O PR José Mario Vaz, soube o DC junto de uma fonte na presidência da República, quer que o director-geral dos SIE, Antero João Correia, seja demitido. O seu primeiro-ministro, Umaro Sissoco, foi contra a ideia e houve discussão acalorada, ontem, no palácio. DC sabe ainda que desde 28 de novembro, Antero João Correia pediu a sua demissão do cargo "por não concordar com muitas coisas". A carta não obteve resposta. AAS

REGRESSO EM FESTA: O presidente do PAIGC, Domingos Simões Pereira, regressa hoje a Bissau, e espera-se uma apoteose no aeroporto. Convocam-se os dirigentes, militantes e simpatizantes do PAIGC, partido de Cabral, para, às 18:30 horas estarem em peso no aeroporto Osvaldo Vieira. AAS

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

URGENTE: A quem tenha levado por engano os meus óculos Ray Ban Polarized, da Garagem, peço que mos devolva, pois não consigo conduzir sem os mesmos. Obrigado. AAS

BREVES


- O presidente do PAIGC, Domingos Simões Pereira, já deixou Conacry tendo regressado ao Congo. Hoje, o presidente dos 'libertadores' deve deixar o Congo a caminho de Dacar, no Senegal. Prevê-se que que regresse a Bissau ainda hoje, o mais tardar amanhã.

- A famosa 'Lista dos 18' para 'liquidação', apurou o DC de fonte segura, NADA tem que ver com a Segurança do Estado e menos ainda com o seu número 1, Antero João Correia. A referida lista é oficiosa - e não oficial. Aliás, DC sabe que os próprios serviços de Segurança do Estado têm estado com os cabelos em pé, tentando descobrir a sua proveniência. AAS

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

ONU: Ban ki-Moon, "preocupado", insiste no cumprimento do Acordo de Conacry


O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse hoje em comunicado que partilha a preocupação da Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO) com a situação política na Guiné-Bissau.

"O secretário-geral partilha a preocupação expressada pelos chefes de Estado e de Governo da CEDEAO com a prolongada crise institucional e política na Guiné-Bissau, que continua a ter um impacto negativo nas pessoas do país", lê-se no comunicado da ONU.

No final de uma cimeira no sábado passado, os líderes da África Ocidental instaram o Presidente guineense, José Mário Vaz, "para que se conforme aos dispositivos do Acordo de Conacri", instrumento patrocinado pela CEDEAO e com o qual a organização acredita que a Guiné-Bissau poderá sair da crise política que conhece há mais de ano e meio.

O Acordo de Conacri visa a formação de um Governo cujo primeiro-ministro seria uma figura de consenso e que tenha a confiança do Presidente guineense. No entanto, quatro das cinco formações políticas com assento parlamentar não reconheceram Umaro Sissoco Embaló, chefe do executivo proposto por José Mário Vaz.

No comunicado, Ban Ki-moon pede "à liderança política da Guiné-Bissau que demonstre o compromisso e boa-vontade necessários para atingir uma solução política duradoura para a crise no pais, com base no Roteiro da CEDEAO e no Acordo de Conacri."

A DITADURA ARREGANHA OS DENTES: António Aly Silva, é um dos nomes que constam da famosa 'Lista 18' para ser 'liquidado'. Já tardava... A minha PRIMEIRA reacção? QUERO QUE SE FODAM TODOS!!! Nô pintcha.

FINANÇAS? MUITO MAL, OBRIGADO!


Contas de um Estado idiota

- Total de receitas (até novembro 2016) = 79.6 Biliões de Fcfa (a previsão era de 92 Bi)
- Despesas = 93 Bi, com previsão de 99 Bi até fim de dezembro
- Massa salarial do Estado = 6.3 Bi
- Dívidas = 1.4 Bi
- Outras despesas de pesca = 1.4 Bi

- DESPESAS NÃO TITULADAS = 9.2 Bi

- Déficit do tesouro público = 88.8 Bi

MEF precisa de 12 Biliões de Fcfa até daqui a...9 dias!!! AAS

ALERTA CEDEAO/UA/ONU/UE/CPLP/UNIÃO EUROPEIA: Guiné-Bissau conhecerá em BREVE tentativas de assassinato. DC virá com toda a história brevemente. Para já, deu-se início à limpeza na Segurança do Estado. AAS

ROUBALHEIRA A 1000 À HORA: Carlos Vamain, o 'constitucionalista' que está sempre a cobrar às Finanças, acaba de SAIR do ministério da Economia e Finanças. A exemplo do Helder Vaz, nomeado do pé para a mão 'embaixador' em Lisboa, recebe do MEF para insultar entre outros o ex-MEF, Geraldo Martins. Até senhas de combustível levava. Helder Vaz COBROU do MEF as dívidas de 1994 - ano em que deambulava pela ANP. Um bloguista semi-analfabeto também recebia. Aliás, era na sala do chefe de gabinete do ex-MEF Henrique Horta que 'escrevia' (sim, assim mesmo e sem medo da expressão) os posts. Henrique Horta, ao deixar o cargo, levou com ele senhas de combustível de alguns assessores e direcções gerais. Levou também muito dinheiro do fundo de maneio do ministério que se situa nos 11 milhões de Fcfa. AAS

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

"Salvar o País" na ditadura?, com atropelos à Constituição?


O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, instou hoje a classe política a abraçar o seu repto para "um diálogo nacional" se os guineenses quiserem "salvar o país e encarar o futuro com confiança".

O repto do chefe de Estado foi feito num encontro anunciado como sendo reunião com os cinco partidos políticos com representação no Parlamento, órgãos de soberania e sociedade civil, mas que acabou por ser uma comunicação do Presidente aos presentes.

Numa mensagem lida e sem que os presentes pudessem falar, o Presidente guineense informou-os sobre o que se passou na cimeira de líderes da Africa Ocidental que teve lugar na Nigéria no passado sábado e o que aí foi abordado sobre a crise política na Guiné-Bissau.

Disse que "em nenhuma circunstância" os líderes da Comunidade Económica de Estados da Africa Ocidental (CEDEAO) colocaram em causa o Governo em funções na Guiné-Bissau e muito menos a legitimidade da equipa liderada pelo primeiro-ministro, Umaro Sissoco Embaló.

José Mário Vaz pediu à classe política para que abrace o diálogo para a busca de uma solução para a saída da crise política "ao invés de persistência em cavar mais o fosso na sociedade guineense", frisou.

"Entendo que terminada a busca de uma solução além-fronteira para os nossos problemas é chegado o momento de assumirmos os nossos desafios nas nossas próprias mãos. Doravante convido a todos para entramos numa nova oportunidade de diálogo nacional se quisermos, realmente, salvar o nosso país", defendeu José Mário Vaz.

Para o chefe de Estado guineense, para fazer face aos problemas "criados pelos próprios cidadãos" apenas o dialogo sério e franco "apenas entre os próprios guineenses" poderá ser a solução.

José Mário Vaz elegeu a Assembleia Nacional Popular (ANP, Parlamento) como a "sede por excelência" para o diálogo nacional ainda que o processo possa conduzir, por vezes, às divergências entre os atores políticos, notou. Lusa

José Mário Vaz no seu melhor


Muito já se disse sobre as gafes do Presidente José Mário Vaz nas declarações que fez à sua chegada da Cimeira da CEDEAO que teve lugar em Abuja.

José Mário Vaz confirmou que, afinal, sempre havia um nome consensual em Conakry, com o qual ele discordou (se bem que foi o próprio que, em violação flagrante e desavergonhada da Constituição da República, levou 3 nomes a Conakry e assegurou ao Presidente Alpha Kondé que são todos pessoas da sua confiança, podendo trabalhar com qualquer um).

José Mário Vaz também deixou claro de que tudo o que fez até aqui foi violar o Acordo de Conakry. O Acordo de Conakry, que nem deveria existir se o Presidente José Mário Vaz se conformasse com a Constituição da República da Guiné-Bissau, desenhou um quadro para a saída da crise através de um governo inclusivo, na sequência da incapacidade do governo de Baciro Djá em fazer aprovar o seu Programa no Parlamento com o apoio esperado do PRS e dos agora 14.

Depois de muitos esforços diplomáticos, da mediação da CEDEAO, dos encontros de Bissau e de Conakry, (surpresa) José Mário Vaz faz tábua rasa de tudo e volta a dizer que o futuro do governo de Umaro Cissoko é… (isso mesmo) o apoio esperado do PRS e dos 14.

Mas o mais grave ainda estava para vir. Questionado sobre o facto de apenas um partido, dos cinco com assento parlamentar, estar representado no governo de Umaro Cissoko, José Mário Vaz disse que há elementos de todos esses partidos no governo, embora à revelia da direcção dos seus partidos. Portanto, não havia problemas. JESUS CRISTO.

Ficámos a saber que o Presidente da República José Mário Vaz, que é suposto ser o garante do respeito da Constituição e das leis, o guardião do templo, o defensor da legalidade democrática, é o principal promotor da violação das leis, dos estatutos e dos regulamentos dos partidos, que, todos juntos, constituem o quadro legal que sustenta a nossa democracia representativa.

A mensagem política de José Mário Vaz com estas declarações é esta: militantes e dirigentes dos partidos políticos, façam rebelião nos vossos partidos; conspirem contra a direcção dos vossos partidos; violem os estatutos, violem as regras, violem os regulamentos, violem a disciplina partidária, e terão o meu beneplácito e a minha protecção enquanto Presidente da República. Como dizem os mais jovens, MORRI.
AAS

CONVOCATÓRIA: O PAIGC convoca os seus militantes, simpatizantes e público em geral hoje, às 14 horas (2 da tarde), para uma sessão de esclarecimento sobre a cimeira da CEDEAO, que decorreu em Abuja. AAS

Mais uma exoneração...


Joaquim Braima Bunkurum foi exonerado da função de chefe de secção de edição de vídeos da Televisão da Guiné-Bissau, por repudiar e insurgir constantemente contra a censura severa e deliberada em curso há muito na TGB. Bunkurum é militante e ativista do PAIGC o que também concorreu para o seu afastamento. AAS

Movimento Nacional Cívico "Nô Djunta Mon pa Fidjus di Tchom Riba Cassa"

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

NOTÍCIA DC: Pelas posições que defende, pela linha política, CESÁRIO FERREIRA DA SILVA foi hoje exonerado das funções de Director das Relações Exteriores da ARN (Autoridade Reguladora Nacional). AAS

E por pedir boatos...: "Ouvi dizer que hoje foi entregue um cabaz de Natal com uma dúzia de sabonetes no palácio presidencial, acompanhado de um bilhete escrito que dizia "lava a lama das mãos"...A.N.

NOTÍCIA DC: O documento que despachou o Sunba...lubu na kumé lubu? Ma n'fala....

ÚLTIMA HORA - NOTÍCIA DC: O ministro do Interior, Botche Candé, suspendeu há pouco o seu assessor de imprensa, Sunba Nansil, soube o DC junto de uma fonte do MI. AAS

Sunba, não te preocupes, o Botche Candé sai a seguir...

PAIGC não desarma


O PR JOMAV mandou convocar os partidos políticos para uma reunião, amanhã, na presidência da República às 14 horas. A resposta do PAIGC foi pronta: "Ninguém representará o partido. Só quando chegar o DSP haverá resposta à carta." DC sabe que todos os partidos representados na ANP (PRS à parte, claro!) vão tomar a mesma posição...AAS

JOMAV não desiste? O Blaise Diplo não desiste? Nós também não desistimos! Abaixo a ditadura do presidente José Mário Vaz! Abaixo o oportunismo do PRS! Abaixo a manobra dos 14! A luta continua. Pátria ou morte, venceremos a canalha!!! AAS

PAIGC ARRASA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

PARTIDO AFRICANO PARA A INDEPENDÊNCIA DA GUINÉ E CABO-VERDE
SECRETARIADO NACIONAL

Comunicado de Imprensa

PARA UMA INTERPRETAÇÃO DA CONFERÊNCIA DE ABUJA

Para o PAIGC não constituiu surpresa o que se passou ontem na capital da Nigéria, Abuja, na presença dos Chefes de Estado e de Governo da CEDEAO.

De há muito o Partido vinha alertando a comunidade nacional e internacional para a irresponsabilidade de um Chefe de Estado que não olha a meios para atingir os seus fins, assessorado por um conjunto de pessoas cujo único propósito é acaparar-se do poder que pertence a DSP e ao PAIGC, Partido de Cabral, para o entregar a uma oposição decrépita, sem mérito nem rumo, oportunista e corrupta.

Só que desta feita, o Presidente da República foi longe demais.

Ao permitir que a Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CEDEAO concluísse que o Presidente da República da Guiné-Bissau não estava a cumprir o Acordo de Conakri, José Mário Vaz colocou o seu cargo e imagem à mercê da chacota internacional, com ele arrastando a imagem do Estado e do Povo da Guiné-Bissau.

Afinal, o que disseram os Chefes de Estado e de Governo da CEDEAO ao nosso Presidente? No vernáculo português Camões e de Bocage disseram: o Presidente da Guiné-Bissau mentiu ao seu Povo. Ao nomear quem nomeou para o cargo de Primeiro-Ministro o Presidente da República não respeitou o consenso alcançado em Conakri, tal como lhe foi transmitido pelo Mediador, o Presidente da República da Guiné, Professor Alfa Condé.

Sabendo o que iria acontecer em Abuja, o Presidente José Mário Vaz não queria participar nesta Cimeira. Queria ser representado pelo “seu” Primeiro-Ministro que já tinha despachado para Abuja. Só que os seus pares disseram-lhe: o que temos para te dizer tem de ser na tua cara. Vamos mandar-te um avião para que não haja desculpas. A CEDEAO quer resolver de vez esta questão, cuja artificialidade é notória.

Esperaram pelo Colega José Mário Vaz, ignorando por completo a presença em Abuja do dito Primeiro-Ministro. É vergonhoso verificar que o Comunicado Final da Conferência nem sequer regista a presença de Umaro Sissoko Embaló em Abuja.

Em momento algum refere o nome de José Mário Vaz, enquanto o nome do Presidente da República da Guiné, SEM Prof. Alfa Condé era referido com respeito e palavras elogiosas e encorajaras pelo bom trabalho de mediação realizado.

Nunca assistimos a tamanha humiliação. A CEDEAO não teve a menor preocupação em dizer frontalmente o que tinha para dizer, desmentindo cabalmente o seu Representante na Guiné-Bissau, o tal DIPLO que havia inventado uma Carta de Conforto para o Governo de Sissoko Embaló.

As regras protocolares que aconselham reserva no relacionamento entre Chefes de Estado foram completamente afastadas para dizerem a JOMAV “Você não está a ser sério, quem tem razão é Alfa Condé, você não tem nenhuma razão”.

Cadê José Mário Vaz o altivo?
Cadê Mário Vaz o todo-poderoso?
Cada o Vaz que manda, faz e desfaz?

Obrigaram-no a aceitar um valente Puxão de Orelhas, do qual dificilmente se poderá recompor.

Ele que foi a Abuja convencido que de lá traria um Voto de Louvor e o acolhimento apoteótico do seu Governo, saiu pela porta do cavalo, envergonhando o seu POVO.

Noutras partes do mundo seria o suficiente para o Presidente da República colocar o seu cargo à disposição, ou para ser iniciado o processo de destituição por indignidade no exercício de funções.

Se o Presidente Mário Vaz não demitir o actual Governo colocará a Guiné-Bissau fora da CEDEAO e da Comunidade Internacional. Não há nada mais claro. A Cimeira exortou o Chefe de Estado da Guiné-Bissau a cumprir o Acordo de Conakry, que não respeitou. O que significa que, se o não fizer não poderá contar com o apoio da sua organização regional.

Aliás, a Conferência já vinha advertindo para a retirada das forças da ECOMIB do nosso país. Agora deu instruções para que essa retirada se comece a fazer a partir de Janeiro de 2017.

Qual o significado desta declaração? Muito simples. Disseram a José Mário Vaz: “Senhor Presidente da República, estamos cansados. A partir de Março de 2017, fiquem com o vosso país e façam o que bem entenderem. Não temos mais dinheiro para gastar em crises artificiais criadas por quem devia ter a responsabilidade de as evitar e resolver”.

O PAIGC aguardará serenamente pelo evoluir da situação, apelando aos seus militantes, simpatizantes e Povo em geral, para que estejam atentos às manobras que o Presidente da República e seus acólitos tentarão promover, na sua lógica obsessiva de preservação do poder. Já todos nos apercebemos que o propósito do Presidente da República e dos seus acólitos é manter a sua equipa no poder custe o que custar, para que no momento das eleições a chave do cofre esteja nas suas mãos, convencidos que com dinheiro conseguem comprar a consciência do Povo.

O PAIGC condena veementemente esta atitude do Presidente da República e dos seus acólitos, o PRS e os ditos 15 deputados, que consubstancia mais uma ignóbil tentativa de conquista do poder por métodos inconstitucionais e antidemocráticos.

O PAIGC proclama solenemente a sua adesão ao princípio de que o poder se alcança de forma democrática nas urnas, com projecto de sociedade válido e credível, nunca aceitando abdicar dos princípios e valores fundamentais que caracterizam a sua acção para alcançar os seus objectivos.

Como ficou mais uma vez demonstrado, a força da razão acaba sempre por vencer a razão da força.

Bissau, 18 de Dezembro de 2016
O Secretariado Nacional do PAIGC

CIMEIRA CEDEAO: COMUNICADO DO PAIGC

PARTIDO AFRICANO PARA A INDEPENDÊNCIA DA GUINÉ E CABO-VERDE
SECRETARIADO NACIONAL

Comunicado de Imprensa

O PAIGC é um partido cuja grandeza e história ao serviço do povo guineense é um fator inquestionável e isso dá-lhe a pesada responsabilidade de assumir esse papel e de prosseguir no cumprimento dos seus deveres de partido libertador e promotor da democracia.

O PAIGC cumpre e pratica, de forma séria, os valores do respeito e no cumprimento do seu programa em estrita obediência à suprema vontade expressa pelo povo guineense que libertou do jugo colonial e abriu portas à liberdade, à democracia e ao desenvolvimento.

A Cimeira dos Chefes de Estado e de Governo da CEDEAO, que teve lugar ontem, dia 17 de dezembro, em Abuja, na República Federal da Nigéria, veio repor a verdade dos acontecimentos e os compromissos assumidos em Conakry.

Para o PAIGC, mais que a reposição da verdade dos fatos, feita pela Cimeira de Abuja, está em causa a própria credibilidade de alguns atores políticos guineenses, pelo papel que assumiram de forma oportunista, antidemocrática e eivada de um espírito de puro golpismo, tentando fazer da mentira um instrumento para usurpar um poder que nunca conquistaram nas urnas.

A mentira e a subversão dos factos, que realmente ocorreram em Conakry, deve servir de alerta para o povo guineense sobre os perigos que algumas forças políticas e alguns políticos frustrados podem representar para o futuro deste país.

Neste sentido, o PAIGC responsabiliza em primeiro lugar o Presidente José Mário Vaz pelo papel negativo que tem vindo a jogar em todo este processo, começando pelo derrube do I Governo do PAIGC, formado na base de uma responsável inclusão de vários partidos no seu seio em nome da estabilidade e unidade nacionais.

Para o PAIGC mais do que o derrube irresponsável e incompreensível dos seus Governos, enquanto partido vencedor das eleições legislativas com maioria absoluta, está ainda o facto de se comprometer os resultados e ganhos obtidos com a Mesa-Redonda de Bruxelas, cuja implementação poderia catapultar a Guiné-Bissau nos caminhos de um harmonioso e sustentável desenvolvimento económico, social e cultural, sem se deixar de salientar os ganhos de ordem política que cimentariam ainda mais os alicerces da nossa frágil democracia.

Abuja pôs a nu o oportunismo, o golpismo, a intriga, a mentira e deixou, de forma clara, que algumas forças e atores políticos deixaram de merecer respeito e a confiança dos guineenses, pois o seu papel é antipatriótico e antidemocrático, pondo em causa o futuro da Guiné-Bissau.
O PAIGC regista o facto da Cimeira de Abuja não ter aceite a confirmação de um Primeiro-Ministro nomeado à revelia do consenso de Conakry que escolheu Augusto Olivais, um dos três nomes propostos pelo Presidente José Mário Vaz, dando-lhe praticamente um ultimato, quando exorta ao Presidente da República da Guiné-Bissau a conformar-se integralmente com o Acordo de Conakry.

Reposta a verdade dos factos e tendo o PAIGC demonstrado uma vez mais ser um grande e respeitável partido político, que não mente, nem faz o jogo do oportunismo e da mentira e que exerce o poder por via das urnas, e só através das urnas, quer aproveitar esta ocasião para agradecer as formações políticas que se uniram em torno da defesa da democracia e da forma patriótica e firme como assumiram, ao longo deste processo, o seu papel de partidos republicanos e democráticos.

O PAIGC aguarda que, com esta histórica Cimeira de Abuja, os principais atores políticos deste país assumam uma nova postura, assente no respeito pela Constituição da República e na vontade manifestada nas urnas pelo povo guineense, cumprindo de forma responsável e patriótica os Acordos Bissau e de Conakry.

Bissau, 18 de dezembro de 2016
O Secretariado Nacional do PAIGC

No comments


ON:



OFF:

TV AFRICA 24 - MAIS UMA MÁ NOTÍCIA PARA O JOMAV: CEDEAO apoia a candidatura do chefe de Estado da Guiné-Conacry, Alpha Condé, para a presidência da União Africana. AAS

Agência imobiliária

COMUNICADO: PAIGC, PUN, PCD, UM, PND

RIP: Morreu o nosso amigo 'Tabanka'. Que a terra lhe seja leve e condolências para a família enlutada. AAS

domingo, 18 de dezembro de 2016

CEDEAO/ABUJA: José Mário Vaz chamou implicitamente de mentiroso ao mediador da CEDEAO, presidente Alpha Kondé

O Comunicado final de Abuja foi claro: JOMAV foi instado a cumprir o Acordo de Conakry. Se dúvidas ainda houvesse, o próprio JOMAV se encarregou de as dissipar.

1. À sua chegada a Bissau, perguntado pelos jornalistas se afinal tinha havido um nome consensual em Conakry, JOMAV respondeu que divergiu com Alpha Kondo por este ter dito que tinha havido um nome consensual em Conakry. Ou seja Jomav confirmou-nos que Alpha Kondé tchoma nomi em Abuja. Só que JOMAV não concordou. Com esta afirmação, JOMAV chamou implicitamente de mentiroso ao mediador da CEDEAO Alpha Kondé.

2. Perguntado sobre o cumprimento do Acordo de Conakry, JOMAV respondeu que acredita que Umaro Cissoko, com o apoio do PRS e dos 15, será capaz de aprovar no Parlamento os principais instrumentos de governação (o Programa de Governo e o Orçamento). Ou seja, apesar de a CEDEAO ter dito claramente em Abuja que o Acordo de Conakry é o único quadro para a saída da crise política, JOMAV continua a achar que a sua sua fórmula de PRS+15 (completamente fora do quadro do Acordo de Conakry) é que é a solução. A CEDEAO é que está mal informada sobre a Guiné-Bissau.

3. Perguntado como vê o facto de, dos cinco partidos com assento parlamentar, apenas um estar no governo de Umaro Cissoko, JOMAV respondeu que apesar de as direcções desses partidos terem recusado a entrada no governo, alguns elementos desses partidos estão no governo. Ou seja para JOMAV, qualquer conspiração para atrair para o governo elementos de um partido, à revelia da decisão desse partido é legítima. Esta atitude de JOMAV não é surpreendente e só vem confirmar a ideia de que ele (JOMAV) é o mentor das conspirações nos partidos políticos (PAIGC com os 15 e, mais recentemente, PCD).

4. Mas mesmo que a entrada de alguns elementos desses partidos para o governo fosse legítima, JOMAV esqueceu-se de que o que o Acordo de Conakry diz é que a representação dos partidos no governo deve ser proporcional à representação parlamentar, o que está muito longe de ser o caso.

5. Ou seja, JOMAV acabou por nos confirmar, talvez inadvertidamente, que houve um nome de consenso em Conakry com o qual ele não concordou; e que não respeitou e nem pretende respeitar o Acordo de Conakry, apesar da exortação clara da Cimeira de Abuja.

6. Até onde irá este Presidente com a sua tendência doentia de negar o óbvio e de continuar a fazer fuga em frente? A ver vamos.
AAS

sábado, 17 de dezembro de 2016

OPINIÃO AAS: O Comunicado de Abuja explicado


1. O Comunicado da Cimeira da CEDEAO de Abuja é claro: José Mário Vaz é exortado a cumprir o Acordo de Conakry. Na linguagem da diplomacia isso significa que JOMAV levou um cartão amarelo. Os seus colegas disseram-lhe: não estás a cumprir o Acordo.

2. Se Jomav tivesse razão o Comunicado ia dizê-lo diplomaticamente, como é habitual, mais ou menos nos seguintes termos: 'A CEDEAO felicita o Presidente José Mário Vaz pela nomeação de um Primeiro Ministro consensual, no espírito do Acordo de Conakry, e exorta os partidos não integrantes do governo a colaborar com o Presidente da República e o Primeiro Ministro nomeado a fim de encontrar uma solução para a saída definitiva da crise'. Não o fez.

3. O Comunicado não diz nada disso. Pelo contrário, lamenta a persistência da crise política e a incapacidade dos actores políticos a se entenderem e exorta o Presidente da República José Mário Vaz a cumprir o Acordo de Conakry e apela os partidos politicos a respeitarem os termos do Acordo. O Primeiro-Ministro nomeado (Umaro Cissoko) nem foi felicitado, nem foi citado no Comunicado.

4. O Comunicado reafirma que o Acordo de Conakry continua a ser o único quadro politico para a saída da crise. Ora, o Acordo de Conakry diz que se deve formar um governo inclusivo e as pastas têm que ser repartidas em função da representação parlamentar dos partidos. Se o PAIGC, que tem a maioria no Parlamento, não faz parte do Governo quer dizer que não há Acordo de Conakry.

Resumindo, JOMAV tem que voltar atrás pela enésima vez, mas desta vez terá de fazer as coisas como deve ser. E pela última vez.
AAS

EXCLUSIVO DC - CIMEIRA CEDEAO - COMUNICADO FINAL


RGTzxJik/WFWzf8LtDFI/AAAAAAAACh8/iVYmyucDdiMkTFeZP5h1Om4NThZnQhFFgCLcB/s1600/Communique%25CC%2581%2BFinal%2B50e%25CC%2580me%2BSommet%2BAbuja%2B17%2Bde%25CC%2581c%2B16%2BFr3.jpg" imageanchor="1" >

MADEIRA: Agora, inventaram uma nova forma de imposto - para cada contentor com a nossa madeira, cobram 3 milhões e 800 mil Fcfa. Depois, transferem 3.300 mil Fcfa para o tesouro público, e...500.000 Fcfa para a Câmara do Comércio. AAS

EXCLUSIVO DC/TERMINOU A CIMEIRA DA CEDEAO EM ABUJA


Sobre a Guiné-Bissau:

CEDEAO não confirmou o nome escolhido - o de Umaro Sissoco (primeiro-ministro de 'iniciativa presidencial'). Os chefes de Estado da CEDEAO foram extremamente coerentes, e exigiram ao seu homólogo guineense 2 coisas:

- O respeito pela Constituição da República da Guiné-Bissau;
- O respeito pelo 'Acordo de Conacry', que, salientaram, o chefe de Estado José Mário Vaz NÃO tem cumprido.

A nível do comunicado final (que deve estar a sair), os chefes de Estado da CEDEAO recomendaram às partes signatárias, e ao PR JOMAV, a cumprirem estritamente o 'Acordo de Conacry', e salientaram que os partidos políticos devem ser DEVIDAMENTE representados no Governo (o PAIGC, que tem a maioria absoluta deve, assim, indicar o próximo primeiro-ministro) PROPORCIONALMENTE aos mandatos na Assembleia Nacional popular.

A um chefe de Estado em particular, fugiu-lhe a boca para a verdade: "Nunca assisti numa cimeira a uma interpelação clara por parte da CEDEAO como o que vi nesta cimeira de Abuja no que ao PR José Mário Vaz diz respeito."

O PAIGC, através do seu presidente, Domingos Simões Pereira, aguarda uma audiência com a presidente da Libéria, Ellen Johnson, a quem vão convidar para se deslocar a Bissau já no próximo mês de janeiro para ver se as recomendações da cimeira que hoje terminou, foram ou não implementadas. AAS

DESABAFO: À atenção das mulheres di nha terra !


"Tenho ouvido tantas vezes dizer aqui nesta terra "se a mulher tomar o poder será melhor, será isto e aquilo ..se a mulher tomar ..." .

A verdade é que se a mulher tomar o poder aqui neste país nada mudará. NADA. Enquanto pensarmos e agirmos da forma como temos feito nada mudará. Só haverá mudança quando começarmos a pensar diferente a agir diferente, a ter uma AGENDA DA MULHER para lá de quaisquer outras diferenças ou afinidades sejam elas de caracter político, pessoal ou familiar.

A AGENDA DA MULHER significa que tudo o que fere a nossa dignidade, que põe em causa a nossa auto-estima, nos relega a um plano inferior deve ser arduamente combatida por todas as mulheres desta terra. Assim aprendi em todos estes anos de dedicação á causa da mulher seja na Guiné, seja fora dela.

Nos países onde as mulheres hoje atingiram patamares do qual se orgulham por ombrear com os homens estas, mesmo que maiores inimigas umas das outras, quando em causa está a AGENDA DA MULHER elas unem-se numa única frente. Não se acusam umas ás outras em defesa de seus "machos" . Nós temos que aprender a juntarmo-nos em torno desta agenda, em torno da causa da mulher.

Quando necessário os homens juntam-se em torno das agendas que lhes convém. Aliás basta olhar para esta crise política que nos corrói há dois anos. Temos presenciado alianças mais incríveis, inacreditáveis, impensáveis entre os homens desta praça, ditos políticos. Eles dão a volta por cima, alinham e realizam as suas alianças.

As mulheres aqui á minima contrariedade viram-se umas contra as outras passando por cima da causa maior que é a defesa dos nossos direitos e da nossa dignidade. Enquanto estiver em causa a AGENDA DA MULHER, a mulher guineense, o futuro das meninas e jovens mulheres deste sofrido país NÃO ME CALAREI.

Hoje, a Guiné é um país onde o assédio sexual nos locais de trabalho e nas escolas é praticamente uma cultura aceite, onde a violência contra as mulheres é normal e corrente na familia, onde as mulheres são pisadas pelos companheiros, pelos irmãos, pelos pais e tios pelo simples facto de serem homens e nós mulheres. Seja meu irmão, seja meu pai, seja meu filho violentou uma mulher ..NÃO SERVE... e muito menos para cuidar dos assuntos que tenham a ver com a agenda da mulher.

Tenhamos a cabeça fria, sejamos superiores às afinidades e ponhamos em prática acções, políticas e normas que nos protegem enquanto mulheres, que influenciam a sociedade numa via do respeito pelo género feminino, no respeito pelas nossas filhas e nossas netas. Ás vezes é preciso vivermos na pele determinadas situações para que tenhamos a ousadia de dizer CHEGA, de dizer NÃO, de dizer aconteceu comigo mas não acontecerá com as minhas filhas!!!

Helena
"

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

CIMEIRA DA CEDEAO: PR José Mário Vaz deve viajar na próxima madrugada para Abuja e deverá regressar a Bissau no domingo. AAS

ASSALTO NA MADRUGADA


Por volta das 2/3 horas desta madrugada, um grupo de seis pessoas (quatro delas armadas com AK 47 e duas com pistolas) tomaram de assalto a residência do Filomeno Pinto Cabral, no bairro D'Ajuda com bastante violência.



Ameaçaram as pessoas que se encontravam em casa, reviraram tudo, roubaram telemóveis, jóias e até a aliança da sua mulher não escapou aos larápios. Filomeno Cabral está ausente do País. AAS

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

GATO POR LEBRE: Braima Camara, do grupo dos 15, apurou o DC junto de fonte bem colocada, foi quem indicou Barros Banjai para ministro dos Recursos Naturais. AAS

ALERTA/DENÚNCIA: "O motivo para a mudança repentina da CNE das actuais instalações, para a antiga sede exígua, terá a ver com uma coisa: o desvio do servidor. Assim, quando chegar a data das eleições...adia-se por 1/2 anos." Leitor identificado, funcionário da CNE

DENÚNICIA: RECOMEÇOU O ASSALTO ÀS FLORESTAS DA GUINÉ-BISSAU


Acabei de receber um grito de socorro de um colega florestal, Diretor de Serviços de Exploração Florestal da Direção Geral das Florestas da Guiné-Bissau o texto em baixo.

Caros colegas ambientalistas de todo o mundo, venham ao socorro da DGFF

Venham ao socorro da Guiné-Bissau. Mais uma campanha de corte de madeiras deu inicio com muita força nas regiões de Gabu e Bafata, Tombali e Quinara, depois de o governo de Baciro Dja ter sido demitido em exportar os touros apreendidos e estocados em Bissau desde 2015. O barco esta no porto de Pindjiguite a carregar torres. Processo que esta sendo pilotado pelo ministério do interior através dos serviços da guarda nacional e alfândegas de Bissau, incluindo outros ministérios.

Isto tudo apesar da transferência anunciada de espécie Pau sangue para o apêndice II da CITES e o embargo da CITES a exportação de madeira da
Guiné-Bissau para o Estrangeiro. Para além das madeiras estocadas aqui em Bissau, agora os arrependidos que não tinham entrado na dança de corte de madeira em 2012 a 2014 estão a aproveitar para cortar e misturar com o atual estoque que foi autorizado para ser transportada.

Desta vez a DGFF foi posta simplesmente de lado por o facto da atual equipa não estar alinhado com esta ideia e decisão do governo, alias nem
foi consultado, tudo quando o ministro demitido já tinha sido isolado do processo.

O que vai ser o futuro da floresta e ambiente da Guiné-Bissau. Estou frustrado e arrependido por ter nascido aqui neste País e ainda ter optado por ser florestal.*

Que a sociedade civil intervenha junto dos parceiros da comunidade internacional para salvar o que resta das nossas florestas e fazer respeitar os acordos e convenções internacionais que a Guiné-Bissau assinou. Socorro, socorro, caros irmaos ambientalistas. Não sei o que dizer-vos.

Os poderosos do Pais estão metidos no assunto, e recentemente vão para a DGFF ameaçar os técnicos e obrigar que seja passados licenças para irem fazer cortes com ameaças.

Estou impotente devido ao meu actual estatuto de para-militar pelo que peço anonimato, mas descordo com tudo isso para o bem do País. Quero
dinheiro, mas não aquele que põe em causa o interesse e futuro do País.

Não ha segurança para proteger as florestas e o ambiente na Guiné-Bissau. Favor, façam algo para evitar o desastre ecológico e ambiental com esta nova vaga de cortes. Podem implicar as ONG sedeados nas regiões poderão ter mais informações. cortes nas zonas de Xime, Xitole, Mafanco, Ghanadu, etc, etc.

Ha muitos chineses agora a circular em Bissau para compra e exportação destas madeiras. dizem que não precisam de nenhum documento da DGFF e nem da CITES. Interpelem o interpol para controlar o movimento dos trunqueiros da Guiné-Bissau e Empresas chinesas que estão a violar as leis e acordos internacionais. Obrigado.

CRISE POLÍTICA: Domingos Simões Pereira, presidente do PAIGC, viajou hoje para a Nigéria na companhia dos presidentes da UM, PND, PUN. Vicente Fernandes, presidente do PCD, deverá juntar-se à comitiva em Abuja. AAS

URGENTE: Membro do actual Governo quase matou a ex-mulher...e hoje é MINISTRO DA MULHER, FAMÍLIA E SOLIDARIEDADE SOCIAL


NOTA DC: O ministro deve DEMITIR-SE imediatamente. Aliás, a própria presidência da República acabou agora mesmo esta campanha:



segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Brutalidade contra a própria mulher!

Boa tarde Aly,

Envio em anexo a queixa crime que hoje entreguei no Ministério Público e fotos da minha agressão. Aguardo notificação do "assessor-agressor" (NOTA: HOJE, O AGRESSOR É MINISTRO...) de um secretário de Estado deste Governo, e os próximos passos a tomar.



Há muita injustiça cometida contra as mulheres no nosso país, bem como as dificuldades para ter acesso à justiça, sobretudo no que diz respeito à violência
contra a mulher.

Existe uma Brigada de Crimes contra Mulheres e Menores na nossa Polícia Judiciária de Bissau, rua Mariem N'Gouabi, cujo serviço de piquete se encontra aberto 24 horas e onde todo o caso poderá ser encaminhado para o coordenador da brigada Mario Clodé, contactável pelo número 553 71 33.

TODAS AS MULHERES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DEVEM RECORRER A ESSE SERVIÇO PARA QUE SE ACABE DE VEZ COM O COMETIMENTO DE CRIMES CONTRA AS MULHERES NA GUINÉ-BISSAU.

Gostaria que o meu caso fosse entendido como um acto de coragem e para que todas as mulheres nas mesmas condições ou piores me vissem como exemplo, denunciando o agressor (seja de renome ou não) e que este tipo de acto de selvageria possa ser punido justamente.

Um abraço,

M.F.C.A.'B'

Exmo. Senhor
Magistrado do M.Pº Junto a
Vara Crime do Tribunal Regional de Bissau

Bissau, 21 de Novembro de 2011


Assunto: Queixa-Crime.

M.F.C.A.B, casada, guineense de nacionalidade, titular do B.I Nº 1A1-00169121-22, emitido pelo serviço de identificação civil de Bissau, contactável pelo Nº ------- / ---------, vem pela presente participar criminalmente contra o cidadão nacional Sr. C.A.K.B., casado funcionário publico afecto à Secretaria de Estado da Juventude, contactável pelo Nº ------/------, pelos seguintes fundamentos de facto e de direito:


A queixosa é mãe de uma menina de seis meses e meio de idade, cujo o pai é o ora participado de quem a queixosa é esposa;

IIº
No dia 18 de Novembro corrente quando eram 23:30mn após uma discussão entre o casal e tendo ambos chegado a conclusão que o ambiente conjugal tornara-se impossível, e havendo necessidade de cada um continuar o seu percurso pessoal e dar assim abertura a um processo de separação, foi discutida a situação da guarda da criança, tendo à propósito, o participado exigido que a bebé doravante passe todo o fim de semana com inicio ás quintas feira a noite à domingo, proposta que lhe foi recusada pela queixosa por razões que se prendem com a idade da menor supra, aliado ainda ao facto de ela estar a tomar peito sobretudo no período da noite e outrossim pelo facto de o próprio participado não dispor de condições de, nesta fase, ter a bebé em casa da mãe onde ele irá viver após o abandono voluntario do lar conjugal;

IIIº
A queixosa ao abrigo da discussão supra, de boa fé disse ao ora participado que mesmo nos fins de semana quando a bebé tiver que deslocar no período diurno a casa da avó paterna era necessário que ela na qualidade da mãe fizesse acompanhar da mesma tendo em atenção o seu regime alimentar e outros cuidados;

Posto isto,

IVº
De forma surpreende e deveras agressiva o participado com violência foi ao quarto buscar a bebé que já se encontrava a dormir para levar com ele, afirmando que se ele não podia ficar sozinho com a criança aos fins de semana então a queixosa também não ficaria com ela;


A queixosa na tentativa de impedir-lhe que não levasse a criança para fora de casa e sobretudo àquela hora da noite, foi brutalmente agredida pelo participado com “socos” na cara tendo atingido varias vezes o olho direito da queixosa, provocando-lhe hemorragia subconjuntival, equimoses infraorbital e edema palpebral tal como se depreende do Auto de Exame Directo (Guia Médica) anexa a presente (vide folha 03) e das fotografias igualmente em anexo (vide folha______);

VIº
E como se não bastasse o ilícito que o participado cometeria lançou a bebé no sofá antes da agressão, esta que por sorte não se magoou;

VIIº
Na sequência da violência sofrida pela queixosa, a mesma encontra-se impossibilitada de trabalhar durante um período de 14 dias, com todas as implicações laborais que a situação representa;

VIIIº
O facto praticado pelo participado consubstancia o crime de ofensas corporais previsto e punível pelo art. 114º do C.P;

São estes os factos aqui participados pela queixosa, termos em que se pede JUSTIÇA.

A Queixosa

_________________________
M.F.C.A.'B'

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Espaço de Concertação dos Partidos Democráticos


PAIGC: Bureau Político

1ª apresentação de vinhos portugueses na Guiné-Bissau


Pela primeira vez, vinhos portugueses (de Norte a Sul), são apresentados e degustados em Bissau. Uma parceria entre a Embaixada de Portugal em Bissau, a AICEP, o Hotel Império e a empresa guineense Hussein Farhat (loja Alvalade).

Em 2015, Portugal (que é o único País do mundo que produz vinhos em todas as suas regiões), conseguiu mais de 4.000 prémios, e vai já a caminho dos 5 mil. Nesta degustação, provaram-se 7 vinhos e 7 pratos diferentes.

AVIAÇÃO: No melhor pano...

A Agência de Aviação Civil da Guiné-Bissau ( País que não tem um avião para amostra e onde só voam mosquitos ) quis dar numa de reinventar ...